Andando por listas de discussão de design gráfico sempre me atenho às respostas mais diversas quando se questiona se design é arte ou não. Observo também que não se chega a um consenso sobre o questionamento, pois há várias opiniões. Vi belas defesas de idéias, assim como algumas sem fundamento. Mas afinal, o Design Gráfico pode ser classificado como Arte?

Se analisarmos a definição do design sobre o ponto de vista do ato criativo (e inventivo), encontramos a seguinte definição: design é a capacidade do ser humano em superar suas limitações e promover a otimização da Comunicação Visual. Contudo, antes de existir o design gráfico (e o designer!), já existia a necessidade de sistemas de comunicação, fica mais claro quando falamos sobre Design Gráfico.

E fazemos o seguinte questionamento: Quem eram as pessoas que faziam os cartazes – na Idade Média, no Egito e no início do século XX antes do design gráfico surgir? Nomes diferentes, mas com uma só definição: Artistas. Que estavam comprometidos em passar a informação, não somente para uma pessoa (ou grupo), mas para uma comunidade especifica ou geral (a população).

Isto nos leva a pensar que o Design Gráfico veio da Arte, a partir do momento que o fazer manual e artístico saiu do circulo boêmio e cultural dos artistas, passando para os escritórios (quando houve a chamada profissionalização, o surgimento do nome design), isto é, houve a mudança da esfera artística para a esfera técnica, fruto da modernização da própria arte e dos meios de reprodução vigentes na época, ou seja, a Canonização do Design Gráfico.

Posteriormente, essa canonização alcançou as escolas (Bauhaus) – e a partir desse momento, o design ganha o caráter acadêmico, completando dessa forma sua passagem da esfera artística para a esfera técnica definitivamente. Daí porque o próprio design (e o designer) tem uma crise de identidade – pois, o nosso próprio ato criativo, algumas de nossas ferramentas e nossas técnicas estão ligadas a fundamentos da Arte e Tecnologia. Tendo como ponto essas considerações, cada designer gráfico traz em si um pedaço de cada artista que viveu no início do século XX (suas técnicas e formas de criar).

Entender a Canonização do Design Gráfico é entender o fenômeno da Arte que deu origem à nossa profissão, e ao mesmo tempo entender a própria estrutura que impulsiona o ato criativo/técnico do design.