Repetindo os demais anos, um evento bem organizado e composto por profissionais de ponta na área de design, ilustração, fashion e motion design.  Trabalhos contextualizados, impactantes, premiados, conceituais e muita vivência em design me provaram que os mesmos problemas vividos no design local se repetem mundo a fora.

E que o principal barato, discutido durante o evento, é a participação coletiva via web com profissionais de todo o mundo(!).

Vamos ao resumo das palestras dos dois dias do Evento:

Cisma (BRA)

cisma

Designer e Diretor de arte brasileiro (SP) que migrou em 2001, do tradicional flash/web para o motion design. Comenta sobre a sua produção de preloads e sites na tecnologia flash em 2004.  Em seguida, discorre sobre o processo do motion design e design gráfico ligado a moda, que é o foco de trabalho atualmente. Seu portfolio é vasto, incluindo projetos para abertura de games, comerciais, vídeos promocionais para clientes como Disney, NBA, Mtv, Diesel.  Ao final da palestra disse “Se você racionaliza todos os porquês, você tem abertura para fazer o que quer”. É isso, design é conceito!

Luli Radfaher (BRA)

luli

Figura conhecida na internet brasileira, ora por seus livros e idéias, ora seus projetos para web. Apresentou a palestra “No Céu não tem Playstation” na qual fala sobre o processo de evolução do webdesign/web 2.0 e da própria internet, que ao seu ver está produzindo pessoas “alienadas” que insistem em viver uma vida on-line à uma real.  “O mundo é difícil, e o designer deve explica-lo visualmente ao usuário” fala sabiamente em um dos momentos de sua palestra.  Ao final diz “O futuro da internet não é o computador, são objetos do dia-a-dia das pessoas, tais como geladeiras, fogões etc.” Ao final é ovacionado.  Inspirador.

Dan Goldman (EUA)

goldman

Ilustrador, cartunista e roteirista discorre sobre o seu workflow para HQ, e comenta sobre projetos para clientes como The Guardian (UK), Folha de SP (BRA), The Times (EUA) entre outros. Em sua palestra alerta, que apesar dos computadores ajudarem o processo de produção, em alguns momentos atrapalha. Cita como exemplo o fato de fazer ilustrações direto no computador e não escanea-los, pois fazer/retocar scans demorar bem mais.  Em seguida comenta sobre o processo de concept para HQ (escrever/roteirizar/desenhar) e alerta a todos  sobre o uso indiscriminado de imagens via google. O CRLT-C é fantástico, mas perigoso em alguns casos, produza suas próprias imagens é a sua dica!

Florentijl Hofman (HOL)

hofman

Artista plástico Holandês, especializado em intervenções (as quais ele mesmo as constrói). O seu trabalho o define. Intervenções urbanas na Holanda, Brasil, França, Alemanha, Itália, Bélgica, Rússia, Japão e Senegal. O mais interessante é o seu processo criativo, fortemente ligado ao lúdico infantil (vide o projeto Patinho de Borracha). Diz que o maior objetivo de seu trabalho é “humanizar” os contextos onde eles são inseridos. Espetacular! Destaque para o patinho de 26 metros!

Bobby Chiou (EUA)

bobby

A personalidade mais esperada do Pixelshow, é ovacionado ao subir no palco, e retribui(!) grande momento do Pixel2010. Ao iniciar a palestra, nos fala que a arte, segundo sua concepção, é estilo de vida. É imaginar o desenho na cabeça, antes de passa-lo ao traço, em suma, todo o processo de “caracter concept” é isso. Atualmente vive no Canadá, onde em seu estúdio atende a clientes como Sony, Microsoft, Hollywood e a indústria dos games.   Em seguida comenta sobre o uso da web, portfolio digital e as oportunidades do segmento on-line. Continuando, fala sobre o papel da especialização para o ilustrador, que ao seu ver deve estudar e desenhar todos os dias, treinando o cérebro e a técnica. Ao final cita seus próximos trabalhos: Man in The Black 3(!) e encerra dizendo “A arte é a interpretação da vida”. Ovacionado.

Felipe Bedoya(COL)

bedoya

Ilustrador e designer colombiano de 22 anos. Abre a palestra falando sobre as técnicas que usa em seus trabalhos vem do tradicional (pintura em tela) e depois passado para o digital. Se diz questionador, inquieto e apaixonado pelo que faz. Em seguida comenta sobre o seu estilo ser grotesco, forte e impactante visualmente e nos mostra dezenas de aplicações em design gráfico e mercado editorial.

Dimitre Lima (BRA)

dimitre

Designer brasileiro e programador na área de informática. Comenta sobre seu inicio, na Trama Records (BRA) com design gráfico.  E em 2004 o design virou sua vida.  De 2004 até o presente tem trabalhado de forma autônoma produzindo projetos para diversos clientes.  Seus trabalhos vão desde do design gráfico a tipografia, lumitecnia, motion design e pesquisa com softwares aplicados a design digital (trabalha com Processing para gerar efeitos e imagens).  Ao final comenta sobre seus últimos trabalhos: Itaú Cultural, Mtv (vmb 2010, Radiola e etc) e a vinheta de aberta do seriado  Alice (2010, HBO).  Confesso que fiquei impressionado como ele ligou a programação em processing com a geração de imagens inovadoreas.

Indio San (BRA)

indiosan

Designer gráfico brasileiro (RS) trabalhou em grande empresas do setor de comunicação, tais como a Globo e editora Abril. Comenta em sua palestra sobre o seu processo de concept design (produção de fotos) e imersão (pesquisa) aplicados a produção de imagens e produtos gráficos (ilustrações e fotos manipuladas). Em seguida mostra seus grandes projetos para editora Abril, Globo, Grandene (Havaianas) e Coca-cola.  Ao final nos deixa uma grande mensagem: “Referência é o processo natural de projetos colaborativos no design”. Experimental e interessante.

Paulo Caruso (BRA)

paulocaruso

Cartunista. Um dos mais famosos no Brasil e no mundo, discorre sobre sua principal fonte de inspiração: a vida política e social do brasileiro. Um palestrante muito bem humorado, até cantou no palco do Pixel (!). Aos 15 anos de idade iniciou sua carreira de cartunista e desenhista, inicialmente por brincadeira, depois profissionalmente.  Seu processo ainda é analógico (colagens, pintura manual) e posteriormente passado para o digital. “No meu ramo você perde o amigo, mas não perde a piada(!)” e comenta sobre o complicado processo que é elaborar uma charge e a linha editorial disser “não.  A maior procura por autógrafos no pixel 2010! Ovacionado no final!

Jason Manley (EUA)

jasonmanley

Designer, dono da produtora Massive Black (EUA) onde atende diversos clientes da área de games com projetos de “Caracter design” para Microsoft, activision e sony.  Já trabalhou com Michael Bay no projeto “Transformers” e Peter Jackson em “O senhor dos Anéis”. Atualmente possui o site concept.org onde trabalha com ilustradores do mundo inteiro, projetos colaborativos via web.  Ao encerrar fala sobre os projetos mais interessantes que já trabalhou (Warcraft 2) e o no atual projeto com Blizzard, Diablo III. Palestra técnica e profissional que encerra o Pixelshow 2010.