Design InstrucionalHá quase 15 anos, nos deparamos com o entrada do design na internet o impacto desse momento  e o ápice temos observado durante essa década e meia. A mudança do paradigma da estrutural da web (o HTML) que passou a suportar tabela os códigos html proporcionou um trabalho mais robusto e minucioso, e o design pode enfim, se empregado. Víamos até entao uma profusão gifs animadas, estuturas pesadas vindas em parte dos menus de cd-rooms muti-mídias.
O design ainda estava se conformando como uma prática quase fundamental em busca do termo “interface” que conhecemos hoje.   Com a chegada das 3a geração de sites (hmtl incorporando novos objetos, tais como scripts e o adobe flash) observa-se a maior penetração de empresas, escritórios e profissionais empenhados em tornar a web mais acessível e interativa aos internautas.
Esse objetivo culminou com a chamada Web 2.0, marcada pela postura colaborativa e interativa entre sites e usuários. O termo “Web 2.0” foi usado pela primeiva vez em 2004 pela O’Reilly Media e pela MediaLive Internacional como nome  de um conferencia que sobre as mudanças que internet passava naquele momento, e partir dai, foi batizado com esse nome.O Design Instrucional x Web 2.0
A partir da Web 2.0, com o incremento dos modelos de velocidade de acesso, popularização de tecnologias (flash, conversores, programação em php, jQuery, Ajax, e etc) e o surgimento de poderosas e simples ferramentas colaborativas, o usuário passou a “fazer” a web. O grande exemplo são as rede sociais, a ferramentas de opinião (blogs pessoais que mais tarde tonaram-se corporativos) até a mais presente destas tecnologias, o Twitter.
O design instrucional tem por objetivo organizar de forma cognitiva os esforços de educadores, professores ou pessoas responsáveis por treinamentos online ou off-line (no caso do usuário fazer download local de materiais de aula e rodá-los em seu computador pessoal) em direção a resultados melhores para ambos os envolvidos no processo da educação: educador e educando.
Essa modalidade de design se configura pelo uso, melhoria em implementação de ferramentas que vao ajudar o processo de aprendizagem (animações, jogos, interfaces e materiais de aula)
Projetar uma animação que explique o processo de fotosíntese ou o porque da guerra dos 100 anos é uma ferramenta mais interessante que apenas o livro impresso com imagens e letras. O design instrucional fornece hoje as ferramentas necessárias para um novo tipo de estudante, mais críticos, participativo na informação que está recebendo em sala de aula.
Hoje nos temos a pedagogia focada em obter o melhores resultados, procurando transferir o conhecimento de forma não-ambígua, assegurando a compreensão por parte do educando, transferindo o conhecimento e estimulando a criação de “novo conhecimento”, criando habilidades críticas para um mundo melhor.O Designer Instrucional
Várias são as ferramentas que podem ser utilizadas pelo designer instrucional, uma delas e mais principal é os servidores web, jogos on-line, sistemas de comunidades virtuais e técnicas que proporcionem interatividade baseadas nas tecnologias que hoje possiblitam que a Web 2.0 seja uma realidade: php, flash, jQuery, Ajax e ferramentas que possibilitem simulaçoes da realidade, tais como o google maps (excelente para aulas de geografia) ou o google docs (para pesquisas online).
O designer intrucional ao projetar interfaces que vao proporcionar o processo de aprendizagem, tem que ser assessorado por um pedagogo que tem por objetivo explicar com uma jogo, animação ou texto deve “oferecer” o conhecimento, o designer deve tornar isso agradável e lúdico.
Hoje este é um dos mercados que mais crescem e há a demanda de profissionais qualificados, no ínicio o ensino a distância parecia ser algo irreal, no momento grande corporações, governos, faculdades, centros de ensino adotando sistemas de treinamento on-line via EAD (Educação a distancia). E você designer, vai ficar parado?

Há quase 15 anos o design veio para a internet. Tal foi o impacto desse momento, que o ápice estamos vivemos nos últimos 5 anos, com a chegada da EAD (Educação a Distância) e da Web 2.0. A mudança do paradigma da estrutural da web (quando o HTML que passou a suportar tabelas) e o incremento dos códigos html com javascript, proporcionaram um trabalho mais robusto e minucioso para que o design,enfim, pudesse ser empregado como ferramenta de interface intuitiva.

Na década de 90, víamos até então, uma profusão gifs animadas, estuturas pesadas vindas em parte dos menus de cd-roms mutimídias.

O design ainda estava se conformando como uma prática quase fundamental em busca do termo “interface” que conhecemos hoje.   Com a chegada das 3a geração de sites (hmtl incorporando novos objetos, tais como scripts DHTML e o adobe Flash) observa-se a maior penetração de empresas, escritórios e profissionais empenhados em tornar a web mais acessível e interativa aos internautas. Em 1996 surgem diversos portais pelo Brasil (Uol, Zaz, Mandic entre outros).

8 anos mais tarde, esse panorama aliado à inovações,  culmina na chamada Web 2.0. Marcada pela postura colaborativa e interativa entre sites e usuários.  O termo “Web 2.0” foi usado pela primeiva vez em 2004 pela O’Reilly Media e pela MediaLive Internacional como nome,  em uma conferencia que sobre as mudanças que internet passava naquele momento, e partir dai, foi batizado com esse termo.

O Design Instrucional x Web 2.0

Com o advento  da Web 2.0 e o incremento da banda no brasil, e a popularização de tecnologias (flash, programação em php, jQuery, Ajax, e etc), surgiram novas  (e poderosas) ferramentas colaborativas (Blogger, WordPress, Youtube Orkut entre outros), o usuário passou a “fazer” a web, gerar conteúdo. O grande exemplo são as rede sociais, a ferramentas de opinião (blogs pessoais que mais tarde tornaram-se corporativos) até a mais novas destas ferramentas, o Twitter com milhões de usuários pelo mundo.

O Design Instrucional

Tem por objetivo organizar de forma cognitiva os esforços de educadores, professores ou profissionais responsáveis por treinamentos online (internet) ou off-line (intranets corporativas)  em direção a resultados melhores para ambos os envolvidos no processo da educação: educador e educando.

Essa modalidade de design se configura pelo uso, melhoria e desenvolvimentos ferramentas que vao ajudar o processo de aprendizagem (animações, jogos, interfaces e materiais de aula) para o ensino e treinamento, tais como a modalidade de ensino a distância (EAD).

Projetar uma animação que explique porque “as chuvas caem” ou conte detalhes da “guerra dos 100 anos” é uma ferramenta mais interessante que apenas a leitura de um livro impresso com imagens e letras. O design instrucional fornece interface, games e animações educacionais para um novo tipo de estudante, mais críticos, “conectado” e  participativo nas salas de aula em todos os níveis do ensino.

Hoje nos temos a pedagogia focada em obter o melhores resultados, procurando transferir o conhecimento de forma não-ambígua, assegurando a compreensão por parte do educando, repassando o conhecimento e estimulando a criação de “novo conhecimento”. Estimulando as habilidades críticas para um aprendizado melhor, e o Designer Instrucional é a ferramenta ideal para isto.

Várias são as ferramentas que podem ser utilizadas pelo designer instrucional, uma delas e mais principal, é o conhecimento técnico.  Servidores web, jogos on-line, sistemas de comunidades virtuais e técnicas de design que proporcionem interatividade baseadas nas tecnologias que hoje possibilitam a Web 2.0.

O projeto de interfaces, animações e games para EAD devem dar eficiência ao processo de aprendizagem. Normalmente esta atividade pressupõe que o designer deve ser orientado por um pedagogo (ou psicopedagogo) que explique o que um jogo, animação ou texto deve “oferecer” o conhecimento, o designer deve tornar isso agradável e lúdico através de técnicas e ferramentas interativas.

Atualmente a EAD é um dos mercados que mais crescem, e existe a demanda por profissionais de design qualificados. No ínicio o ensino a distância parecia ser algo irreal, hoje as grandes corporações, governos, faculdades, centros de ensino estão adotando sistemas de treinamento on-line via EAD (Educação a distância) em quase todos os níveis de ensino.