Bryan Adams – Do I have to say the words (1992), Dirigido por Anton Corbijn é um dos mais visionários clipes dos anos 1990.

Para alguns, esse videoclipe é um dos percursores da famosa estética Rembrandt amplamente utilizada na concepção visual de muitos vídeosclipes desta década.

Foram lançadas duas versões: a editada e a “não-editada”, esta última contendo imagens do show realizado em Istambul em 1992. Após assistir aos dois, o veredicto: a versão editada é a melhor – porque ela cria toda a aura de mistério e sedução que envolve os protagonistas do videoclipe – captando a essência da letra da música.

Um ponto interessante no clipe: mesmo sem ainda se estabelecer ou mesmo existir comercialmente em 1992, surge um aparato que podemos classificar como Realidade Virtual (VR) – no clipe dá a entender que esta tecnologia existe e é de uso comum e acessível, como o é hoje. Ponto pra Corbijn!!

Esta música é um dos grandes sucessos da carreira de Bryan Adams.

Pra quem ficou na curiosidade sobre as versões do videoclipe:

Versão editada

Versão não-editada

Totalmente filmado em tons de sépia, que remete a lembranças, sonho e melancolia – acompanhado de uma letra que fala de amor, sem usar a palavra “amor” para dar sentido à música – o que torna marcante a união música+videoclipe.

E é um dos meus videoclipes favoritos.